Queernesse e transgressão do corpo no corpo do documentário Castanha, artigo que assino com Bernadette Lyra

06.09.2017

Está publicado na revista Tríade.

O artigo se propõe a compreender as configurações cinematográficas nas formas de documentário do longa metragem Castanha (Davi Pretto, 2014), frente à teoria queer, referenciada por Butler e à teoria da produção de presença, de Hans Ulrich Gumbrecht. É possível relacionar a não essencialidade que fundamenta ambas as teorias – de gênero e estética – e compreender que as estratégias do Cinema Direto e do Documentário Poético são formas de produção de presença que favorecem uma narrativa em fluxo; assim como é possível propor e perceber transgressões de queernesse no próprio corpo do filme. 

 

(na imagem, apresentação do trabalho na SOCINE, em João Pesso, 2017)

Please reload

Destaques:

2013: o que observei, entendi e escrevi durante as Jornadas de Junho.

May 15, 2020

1/5
Please reload

Posts Recentes

Please reload

Siga a gente

  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle

© Criado por Matheus Castro / Editado por CielitoR